Museu da Geira

Campo do Gerês | Portugal

O projeto surge como resposta para um concurso: um museu sobre as vias romanas, sobre a sua história e sistemas construtivos, em particular no que se relacionava com as vias existentes na região e no local do Campo Gerês, em Terras de Bouro. As árvores de grande porte, os muros de pedra e o campo que descia suavemente até ao rio. No local o ambiente era sereno, em equilíbrio, um silêncio palpável que era fundamental preservar. A própria temática do concurso, relacionada com a via romana, deixava antever a expressão daquilo que se pretendia para aquele lugar. Um gesto. Uma marcação no terreno como o Cardus e o Decumanus. Uma via que percorre a paisagem até ao rio. O edifício, subtilmente integrado nesse conceito, não compromete o equilíbrio do local, e assume-se como uma porta para a via.

O museu adossa-se a um muro, dando continuidade à plataforma existente que suporta o edifício do Museu Etnográfico de Vilarinho das Furnas / PNPG. A implantação com apenas um piso permitiu resolver o remate da entrada, ao mesmo tempo que definiu os seus limites e reorganizou os percursos de acesso a ambos os museus, tornando-os mais claros. Manteve-se a permeabilidade visual que se desenvolve a Norte, para o vale, assegurando ao local uma grande amplitude visual.

A pedra foi o material de base escolhido desde o início como solução de continuidade com os elementos existentes, utilizando-se no exterior, nas paredes, no pavimento e na cobertura, mimetizando os elementos existentes que definiam a plataforma.

Fotos: ©Pedro Lobo