Lar Casa de Magalhães

Ponte de Lima | Portugal

NUMA CASA BRANCA VIVE UMA SENHORA BENEMÉRITA QUE DOA O TERRENO, CASA E ANEXOS PARA QUE AÍ SE CONSTRUA UM LAR DE IDOSOS. EXIGE APENAS QUE A CONSTRUÇÃO SEJA FEITA AINDA ANTES DA SUA MORTE. TUDO PARTE ENTÃO DA CASA, ELA É O CENTRO E O SÍMBOLO.

O NOVO EDIFÍCIO RESULTA DA AMPLIAÇÃO DA PLATAFORMA DA EIRA EXISTENTE, ONDE SÃO DEFINIDOS DOIS PÁTIOS, AO CENTRO, QUE DESMATERIALIZAM A MASSA CONSTRUÍDA, COMO SE AO VOLUME TOTAL TIVESSE SIDO SUBTRAÍDA UMA PARTE. EM SEU REDOR DISPÕEM-SE AS ÁREAS SOCIAIS E OS 27 QUARTOS, TRANSMITINDO UMA SENSAÇÃO DE PARTILHA, LIGAÇÃO E SEGURANÇA. NO INTERIOR, AS CIRCULAÇÕES SÃO SIMPLES, DIRETAS, AMPLAS E LUMINOSAS. O ÁTRIO ATRAVESSA TODO O EDIFÍCIO, CRIANDO DUAS ENTRADAS OPOSTAS, A PRINCIPAL E A DE SERVIÇO. NO EXTERIOR, O RITMO DA FACHADA REMETE PARA OS TRONCOS DAS ÁRVORES, NUMA OPÇÃO DE MESCLAGEM QUE EVIDENCIA O CASARIO EXISTENTE, DE BRANCO CAIADO.

INSIDE A WHITE HOUSE LIVES A BENEFACTRESS LADY. SHE DONATES THE LAND, HOME AND ATTACHMENTS TO BUILD A HOME FOR THE ELDERLY. SHE ONLY REQUIRES THAT THE CONSTRUCTION BE DONE PRIOR TO HER DEATH. IT ALL STARTS FROM THE HOUSE; IT IS THE CENTER AND THE SYMBOL.

THE NEW BUILDING RESULTS FROM THE EXPANSION OF THE EXISTING PLATFORM FLOOR, WHERE TWO COURTYARDS ARE DEFINED AT THE CENTER, DEMATERIALIZING THE BUILT MASS, AS IF A PART OF THE BUILDING HAD BEEN REMOVED, EXPOSING ITS INTERIOR. ARRANGED AROUND THE COURTYARD THE SOCIAL AREAS AND THE 27 ROOMS INVITE THE FELLOWSHIP OF A SHARED LIFE, A SENSE OF CONNECTION AND SECURITY. INSIDE, THE CIRCULATIONS ARE SIMPLE, DIRECT, BRIGHT AND SPACIOUS. THE LOBBY RUNS THROUGH THE BUILDING, CREATING TWO OPPOSING STARTERS, MAIN AND SERVICE. OUTSIDE, THE RHYTHM OF THE FACADE REFERS TO THE TREE TRUNKS, A BLENDING OPTION, HIGHLIGHTING THE EXISTING HOUSES, WHITE-WASHED.