MENU

CONTACTO

SEARCH

PROJECTOS

_

EM CURSO

TODOS

SOBRE CA

_

ATELIER

EQUIPA

CA DENTRO

_

LOJA

SEARCH

MORADA

_

ca@carvalhoaraujo.com

Largo de Santa Cruz, 506, 1 Andar 

4700-322, Braga Portugal
253 283 580

PRESS

_

dc@carvalhoaraujo.com


- Publicar algum projeto ou assunto sobre o atelier.
- Obter informações sobre os projetos para fins académicos, ou organizar visitas de estudo.
- Solicitar a participação do atelier em conferências ou outro tipo de eventos.

PROJETOS

_

jca@carvalhoaraujo.com

- Saber o que fazemos e como trabalhamos.
- Como encomendar um projeto.
- Propor alguma parceria ou investimento.

CANDIDATURAS

_

jobs@carvalhoaraujo.com

- Envio de candidaturas para estágios, emprego e colaborações.

SEARCH

Casa da Sé 1
Casa da Sé 2
Casa da Sé 3
Casa da Sé 4
Casa da Sé 5
Casa de Sé 6
Casa de Sé 7
Casa de Sé 8
Casa de Sé 9

CASAS

ESTADO

Concluído

EQUIPA

Carvalho Araújo

Joel Moniz

Alexandre Branco

Gonçalo Fernandes

Helder Ferreira

Hugo Carvalho Araújo

Inês Braga

João Santos

Joana Nunes

Pedro Mendes

Sandra Ferreira

Casa da Sé
Braga, Portugal

CASAS

Estado

Concluído

DESIGN TEAM

Carvalho Araújo

Joel Moniz

Alexandre Branco

Gonçalo Fernandes

Helder Ferreira

Hugo Carvalho Araújo

Inês Braga

João Santos

Joana Nunes

Pedro Mendes

Sandra Ferreira

Uma casa em ruína, no coração da cidade de Braga, em Portugal, e uma intervenção sensível. Um lote comprido, que atravessa todo o quarteirão e que liga a rua principal a uma cota mais baixa. Uma fachada principal a preservar e um novo volume do qual resulta uma nova casa e o seu pátio, interdependentes, porque à casa urbana lhe é permitido assim o seu espaço “natural”. A casa resulta dessa relação, dessa possibilidade de controlar o “seu mundo”, as suas vistas e o espaço exterior, sem o constrangimento da relação direta com o espaço púbico, no bulício da urbanidade.


Se de um lado a fachada assume a continuidade da rua e do seu carácter burguês, do outro lado o recuo do pátio por cima da garagem é um vazio no quarteirão, “escavado” por entre empenas. A possibilidade da inexistência, as paredes cegas entre uma vegetação que cresce na ausência e o refúgio da habitação que irrompe esses muros e revela a dimensão do uso interior.

 

A casa foi pensada tendo em conta a dinâmica familiar dos clientes e o vínculo que os une aos filhos. O uso pleno da casa é periódico, nos momentos de reunião, nas férias e em festas. No dia-a-dia é uma casa para um casal de hábitos e rotinas consolidadas, que exigem simultaneamente espaço de aproximação como de recolhimento individual e cujas necessidades equivalem ao uso de meia casa. O projeto reflete essa realidade na sua organização e expressão arquitetónica. O terceiro piso, destinado aos filhos ou hóspedes, encerra totalmente a sua relação de uso com as restantes dependências da casa. Também o exterior revela esta valorização formal da casa apenas para o casal: da fachada cega abre-se a sala do piso térreo e a varanda da suíte dos pais no primeiro piso, ocultando-se propositadamente as restantes janelas dos quartos dos filhos e hóspedes.

CARVALHO ARAÚJO