MENU

CONTACTO

SEARCH

PROJECTOS

_

EM CURSO

TODOS

SOBRE CA

_

ATELIER

EQUIPA

CA DENTRO

_

LOJA

SEARCH

PORTUGAL

_

Largo de Santa Cruz, 506, 1 Andar 

4700-322

Braga Portugal


253 283 580


ca@carvalhoaraujo.com

SOCIAL

_

SEARCH

Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

CASAS

ESTADO

Em Curso

EQUIPA

Carvalho Araújo

Joel Moniz

Alexandre Branco

Gonçalo Fernandes

Helder Ferreira

João Santos

Sandra Ferreira

Casa Mujães
Viana do Castelo, Portugal

CASAS

Status

Em Curso

Client

C. Labeffrei

DESIGN TEAM

Carvalho Araújo

Joel Moniz

Alexandre Branco

Gonçalo Fernandes

Helder Ferreira

João Santos

Sandra Ferreira

Uma casa de família tem de ser vista como um espaço capaz de corresponder e adaptar-se às diferentes necessidades\vontades de quem a habita, através de um “jogo” de equilíbrio. Se em determinados momentos existe a predisposição para a “festa”, noutros é necessário ser feita uma pausa, num momento de contemplação, repouso e descanso – o “templo”.


A proposta tem como base a autonomia dos programas que a compõem a casa, permitindo a sua organização em 3 diferentes momentos (o social, o privado e o externo), articulados através de um interstício, aparentemente supérfluo, mas fundamental para o equilíbrio do projeto.


O interstício assume-se como o centro da casa e faz a ligação entre os diferentes programas. É um espaço de ambiguidade, de atravessamento e, simultaneamente, de permanência, e que se relaciona de forma direta com os espaços exteriores. Pretende ser “um local criativo de amor”.


O espaço social da casa localiza-se no volume pré-existente em dois níveis distintos, mas complementares. Se no primeiro nível propõe-se um espaço social formal, ao nível térreo sugere-se um espaço polivalente que pode ser usado como garagem ou como um espaço informal para eventos que se relaciona diretamente com o exterior.


O programa íntimo da casa divide-se em dois volumes opostos, ligados através do interstício. A poente situam-se as duas suites masters, enquanto que no lado oposto, a nascente, desenvolve-se um volume com dois pisos, que pode ser autónomo para receber pessoas externas à casa, no qual contem a camarata e duas suites.


O espaço destinado ao banho japonês procura ser um “templo” terapêutico, pontuado por um pátio verde que apela à introspeção.  

CARVALHO ARAÚJO