GALERIA MÁRIO SEQUEIRA

Localização: Braga, PortugalÁrea do Terreno: 21960m²Área de Construção: 527m²Estado: ConcluídoFotografia: ©NUDO | ©Pedro LoboGPS: 41° 33′ 40.612″ N | 8° 27′ 42.386″ W

Pode-se, sinteticamente, resumir o projeto a um gesto. O respeito pelo sítio, não tanto como paisagem, mas pelos hábitos e mentalidades inerentes ao “sentir” do lugar, tornam-se evidentes aquando da inserção do edifício numa zona onde se cultivam os princípios de identidade do meio circundante e um forte sentido de preservação do mesmo. O projeto de uma galeria de arte, com as particularidades e necessidades projetuais inerentes enquanto espaço com utilizações e funções específicas, permitem-lhe “viver” num subterrâneo onde consegue desempenhar todos os requisitos que lhe estavam propostos. O silêncio visual mantido à superfície aumenta a expectativa do observador perante a dualidade da escala com que se depara: o nada à superfície e o muito no interior.A gradação crescente da escala do espaço imposta ao observador, à medida que este se introduz no edifício, provoca-o e alimenta os contrastes existentes de luz, cor, escala... Para complementar a elementaridade e simplicidade do programa: uma sala, zonas de acessos e espaços de circulação que, para além de enriquecerem o conjunto, aumentam o carácter “público” do edifício. O espaço interior, aparentemente fechado, abre-se para o exterior no lado nascente. O “desdobramento” daquilo que inicialmente se poderiam considerar condicionantes, entretanto aproveitadas como referências-chave, contribuem para a formação de uma ideia simples: uma arquitetura que se procura libertar de tipologias e referências formais pré-definidas. A consciência do lugar, que serviu como principal orientação do projecto, remete para uma conceção que privilegia a ruralidade do sítio; uma adequação ao espaço físico com o qual não interfere, discreto e “silencioso”, tal como o edifício.

Voltar para categoria CULTURAL